Estar próximo e estar junto: ações performáticas na vizinhança do Bairro Araés, em Cuiabá – MT

Autores

  • Gustavo Henrique de Faria Fernandes Universidade Federal de Mato Grosso
  • Thais Fernanda Rocha Magalhães Universidade Federal de Mato Grosso
  • Maria Thereza de Oliveira Azevedo Universidade Federal de Mato Grosso

Resumo

A proposta deste artigo é uma discussão sobre os laços de vizinhança, ações artísticas e políticas, a partir da noção de ocupação socioestética, que é fruto das intersecções entre a pesquisa acadêmica e ações do Coletivo à deriva. A ação performática micronarrativas afetivas ocorreu no Bairro Araés na cidade de Cuiabá, Mato Grosso em 2018 dentro da ocupação Cidade Possível Araés. Buscamos incorporar à nossa reflexão, as noções de cotidiano e vizinhança de Michel de Certeau para nos ajudar a identificar um complexo relacional entre as intervenções socioestéticas, o processo de criação em torno das ações e a comunidade do Bairro Araés. 

Biografia do Autor

Gustavo Henrique de Faria Fernandes, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutorando em Estudos da Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Pós graduando em Arteterapia pelo NAPE - SP. Mestre em Artes pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp. Pós-graduado em "Fundamentos da Cultura e das Artes” pela mesma Universidade. Graduado em Educação Artística - Habilitação em Artes Cênicas pela Universidade do Sagrado Coração e em Pedagogia pela Uninove. Participa do grupo de pesquisa Artes Híbridas: intersecções, contaminações e transversalidades. E-mail: gustavohfaria@gmail.com. ORCID no. 0000-0001-6359-9223.

Thais Fernanda Rocha Magalhães, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduada em Artes Visuais-Habilitação em Licenciatura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutorado em Estudos de Cultura Contemporânea na Universidade Federal de Mato Grosso. Participa do grupo de pesquisa Artes Híbridas: intersecções, contaminações e transversalidades. E-mail: thaisrochama@gmail.com. ORCID no. 0000-0003-0410-7991.

Maria Thereza de Oliveira Azevedo, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Artes Cênicas pela ECA/USP, Mestre em Cinema pela ECA/USP. Pesquisadora Associada do PPG Estudos de Cultura Contemporânea-ECCO/UFMT, e Líder do Grupo de Pesquisa Artes Híbridas, intersecções, contaminações, transversalidades e do Coletivo à Deriva. Orienta pesquisas na linha Poéticas Contemporâneas ECCO/UFMT. E-mail: maritheaz@gmail.com. ORCID no. 0000-0002-3337-2180.

Referências

AZEVEDO, Maria Thereza O. Ocupação socioestética, por uma poética da proximidade. Revista Polifonia,26, (42), abril-junho, p 102-116, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/8642. Acesso em: 12 out. 2021.

BISHOP, Claire. A virada social: colaboração e seus desgostos. Concinnitas, 1, (12), jul., p 144-155, 2008. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/ article/view/22825/16284 . Acesso em: 05 out. 2021.

CARERI, Francesco. Walkscapes: o caminhar como prática estética. Trad. Frederico Bonaldo. São Paulo: Editora G. Gilli, 2013.

CERTEAU, Michel; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: 2. Morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 2013.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

LARROSA, B. Jorge. Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.19, no. 2, p. 04-27, jul./dez. 2011. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/re flex/article/view/2444/1898. Acesso em: 12 out. 2021.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador - Bauru, EDUFBA - EDUSC, 2012.

LAW, John. Notas sobre a teoria do ator-rede: ordenamento, estratégia, e heterogeneidade. Rio de Janeiro: COMUM, 2006.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2009.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2016.

Publicado

2022-02-05