Teatro Biogeográfico: uma proposta outra de Estágio no ensino de teatro afetado pelo tempo-espaço da pandemia

Autores

  • Marcos Antônio Bessa-Oliveira UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/ NAV(r)E - Núcleo de Artes Visuais em (re)Verificações Epistemológicas http://orcid.org/0000-0002-4783-7903
  • Vanessa Pereira dos Santos UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/ NAV(r)E - Núcleo de Artes Visuais em (re)Verificações Epistemológicas http://orcid.org/0000-0002-8802-9523

Resumo

Este trabalho objetiva legitimar o ensino de teatro nas escolas, por uma perspectiva descolonial, propondo uma forma outrade ensino a partir de corpos "biogeográficos". A proposta de um "Teatro Biogeográfico" foi pensada em contexto de aulas remotas, devido à pandemia causada pela Covid-19, adaptado a partir das Atividades Pedagógicas Complementares (APCs) utilizadas pelas escolas de Campo Grande – MS, nas quais a autora realizaria Estágio. No entanto, devido às exigências do Componente Curricular, a proposta foi modificada. O Estágio, então, se deu a partir da transposição entre as linguagens artísticas (ARAÚJO, 2021), dos conteúdos de Artes Visuais para Artes Cênicas, não possibilitando a realização da proposta prática inicial. A reflexão baseia-se em autores/as como Belém (2016), Bessa-Oliveira (2017, 2018, 2020 e 2021), entre outros/as, auxiliares no entendimento da temática. Apesar de sua não concretização prática, o projetode um Teatro Biogeográfico mostrou-se uma proposta potente não somente para tempos de pandemia, mas na construção do conhecimento através de um fazer artístico sensível, que se dá a partir da individualidade de cada corpo presente no processo de ensino-aprendizagem.Palavras-chave: Arte-Educação. Corpos Biogeográficos. Proposta descolonial.

Biografia do Autor

Marcos Antônio Bessa-Oliveira, UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/ NAV(r)E - Núcleo de Artes Visuais em (re)Verificações Epistemológicas

Professor dos Cursos de Artes Cênicas, Dança e Teatro (Graduação) e do Programa de Mestrado Profissional em Educação – PROFEDUC – da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS, na Unidade Universitária de Campo Grande/ UUCG. Pós-doutor em Estudos de Linguagens pela FAALC/UFMS; Doutor em Artes Visuais pelo IAR-Unicamp, Mestre em Estudos de Linguagens e Graduado em Artes Visuais – Licenciatura – Habilitação em Artes Plásticas pela UFMS. Líder do Grupo de Pesquisa NAV(r)E – Núcleo de Artes Visuais em (re)Verificações Epistemológicas, e membro dos Grupos de Pesquisas NECC – Núcleo de Estudos Culturais Comparados (UFMS/CNPq) e Grupo de Pesquisa Estudos Visuais (UNICAMP/CNPq). E-mail: marcosbessa2001@gmail.com. ORCID no. 0000-0002-4783-7903.

Vanessa Pereira dos Santos, UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/ NAV(r)E - Núcleo de Artes Visuais em (re)Verificações Epistemológicas

Graduanda do curso de Artes Cênicas - Licenciatura da UEMS. E-mail: vanessa-pereira-2014@hotmail.com. ORCID no. 0000-0002-8802-9523.

Referências

ARAÚJO, Christiane. A dança na disciplina de Arte: Transposição entre as linguagens artísticas. Campo Grande, MS: Life Editora, 2021.

BARBOSA, Ana Mae. Redesenhando o Desenho: educadores, política e história. Cortez Editora, 2015. 456p. Disponível em: . Acesso em: 04 mar. 2020.

BELÉM, Elisa. Notas sobre o teatro brasileiro: uma perspectiva descolonial. Revista Sala Preta. v. 16, n. 1, p. 120-131, 2016. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/110637. Acesso em: 01 set. 2021.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. Para experienciar, formar, praticar, caminhar é preciso antes ser, sentir, saber bio-geo-grafias no ensino de artes. XXVII Congresso Nacional da Federação de Arte/Educadores; II Seminário de Cultura e Educação de Mato Grosso do Sul [recurso eletrônico] : anais / comissão organizadora, Caciano Silva Lima, Vera Lúcia Penzo Fernandes. - Campo Grande, MS : Federação de Arte/Educadores do Brasil, p. 240–256, 2017. Disponível em: https://faeb.com.br/confaeb/anais-confaeb-2017/. Acesso em: 19 fev. de 2021.

___. Biogeografias Artísticas como Exterioridade dos Fazeres – corpos latinos fronteiriços. Cadernos de Estudos Culturais: Exterioridade dos Saberes – NECC 10 anos, Campo Grande, MS: Ed. UFMS, v. 2. n. 20. p. 101-140, jan.-jun., 2018. Disponível em: http://seer.ufms.br/index.php/cadec/article/view/7772/5589. Acesso em 12 fev. 2021.

___. Artevírus, Arte de "Dentro de Casa" & a Covid-19. Campo Grande, MS: Life Editora, 2020.

___. Arte-educação descolonial: Formação de professor de arte para um trabalho docente mediador. Revista Educação. v. 16, n.1, p. 63-88, fev., 2021. Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/educacao/article/view/4133/3264. Acesso em: 20 ago. 2021.

BISIAUX, Lîlâ. Deslocamento Epistêmico e Estético do Teatro Decolonial. Rev. Bras. Estud. Presença, Porto Alegre, v. 8, n. 4, p. 644-664, out./dez. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbep/a/snLcgvR3BtsBRHpQyHb6Dmy/?lang=fr. Acesso em: 24 ago. 2021.

HANSTED, T. C.; GOHN, M. G. Teatro e educação: uma relação historicamente construída. EccoS, São Paulo, n. 30, p. 199-220. jan./abr. 2013.

MORAES, Danielle Rodrigues de. Teatro na escola: da lei à lida. Dissertação (Mestrado em Educação Processos sócioeducativos e Práticas Escolares) - Universidade Federal de São João Del Rei, Minas Gerais, 2011.

OLIVEIRA, Rogério Luiz de. A arte do desencontro: o ensino de teatro em uma escola de Ensino Médio em Brasília. Monografia (Licenciatura em Artes Cênicas) - Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2013.

Publicado

2022-02-05